APTR Ultra do Itacolomi com inscrições abertas

A terceira edição da APTR Ultra do Itacolomi, no dia 2 de julho, no Parque Estadual do Itacolomi, entre as cidades de Ouro Preto e Mariana, em Minas Gerais, está com suas inscrições abertas, com as distâncias 6km, 12km, 25km e 55km (que oferece três pontos para os atletas que buscam pontuação para a Ultra Trial du Mont Blanc (UTMB), na França, uma das principais do mundo). As inscrições devem ser feitas em www.aptrailrun.com.br.

aptr_ouropreto_1

O percurso da Ultra do Itacolomi  tem 80% do percurso dentro do parque, que faz parte do Instituto Estadual da Floresta, com belíssimas paisagens e percursos desafiadores.  “O percurso é paradisíaco e desafiador. Imagina correr com um cenário que tem cachoeiras, rio e lagos”, diz Adevan Pereira, diretor da AP Trail Run.

A Ultra do Itacolomi atrai ultramaratonistas que planejam correr a Ultra Trail Du Mont Blanc, mas também aqueles que estão iniciando no trail run ou buscando aumentar as distâncias e ganhar experiência. Os percursos são marcados de forma a oferecer toda a segurança aos atletas, assim como a infraestrutura da prova, desde as equipes médicas, o staff e a alimentação. “Pelo percurso há postos de hidratação completos, com água, Powerade, Coca-Cola, paçoca, chocolate, frutas e pães. Para os atletas da ultra de 55K há alimentação em quentinhas com carne moída e purê de batatas. Para os que não comem carne, haverá purê de batatas com legumes”, diz Adevan.

aptr_ouropreto_mapa
Mapa do percurso dos 55km da APTR Ultra do Itacolomi

O Parque fica nos municípios de Mariana e Ouro Preto, na região sudeste de Minas Gerais, a 100 quilômetros de Belo Horizonte. A unidade de conservação abriga o Pico do Itacolomi. Com 1.772 metros de altitude, era ponto de referência para os antigos viajantes da Estrada Real que o chamava de “Farol dos Bandeirantes”. A palavra Itacolomi vem da língua tupi e significa “pedra menina”. Os índios viam o pico como o “filhote” da montanha ou “pedra mãe”.

Vídeo promocional

O Parque tem uma área de 7.543 hectares de matas onde predominam as quaresmeiras e candeias ao longo dos rios e córregos. Nas partes mais elevadas, aparecem os campos de altitude com afloramentos rochosos, onde se destacam as gramíneas e canelas de emas. Abriga muitas nascentes, escondidas nas matas, que deságuam, em sua maioria, no rio Gualaxo do Sul, afluente do rio Doce. Os mais importantes são os córregos do Manso, dos Prazeres, Domingos e do Benedito, o rio Acima e o ribeirão Belchior. Também há diversas espécies de animais raros e ameaçados de extinção.

Pelo Parque Estadual do Itacolomi e por Ouro Preto passaram as expedições em busca do ouro das Gerais. O patrimônio está preservado, dando ao visitante uma real visão da paisagem contemplada pelos antigos viajantes destes caminhos. No final do século 18, na busca por riquezas, o bandeirante paulista, Antônio Dias, avistou o Pico do Itacolomi, que serviu como ponto de referência, para que outras expedições chegassem ao local com facilidade.

 

 

 

Deixe uma resposta