Documentário sobre corrida de rua será exibido de graça, neste domingo (28/8), na Casa da Suíça, na Lagoa

O documentário “Free to run” será lançado no Brasil neste domingo (28/8), às 18h15m, na Casa da Suíça, na Lagoa, em frente ao Parque Cantagalo. O filme conta a história da corrida de rua, desde o primeiro boom, nos anos 70, até se tornar o esporte que mais cresce no mundo.  A entrada é franca.

A exibição do documentário é parte da programação especial sobre corrida de rua que a Casa da Suíça vai oferecer durante toda a tarde. Haverá também palestra sobre técnicas de corrida com o treinador Marcio Puga, às 16h15m, e uma corrida e caminhada, às 17h15m. Os interessados em participar devem se inscrever a partir das 15h3om.

“Free to run”, do suíço Pierre Morath, mostra como “uma maluquice de amigos” se transformou no esporte de milhões de pessoas. Historiador do esporte e cinegrafista, Morath também é corredor e, para o filme, entrevistou pioneiros das pistas, como os americanos George Hirsch e Frank Shorter.

2a878cdd-c85b-4037-a9a9-f746cfa09b1a
A americana Joan Benoit Samuelson, campeã da primeira maratona olímpica, em Los Angeles-1984

A participação das mulheres também faz parte do documentário, com depoimentos de nomes como Kathrine Switzer e Joan Benoit Samuelson, a campeã da primeira maratona olímpica para mulheres, em Los Angeles (1984), e que esteve no Rio durante os Jogos Olímpicos. Já Switzer fez história ao se tornar o símbolo da luta das mulheres para participar de provas de longa distância. Em 1967, ela desafiou a proibição impostas às mulheres e se inscreveu na famosa Maratona de Boston.

katherine_switzer_marathon-608x280
Katrine Switzer sendo perseguida pelo diretor da Maratona de Boston, Jock Semple, em 1967

A famosa foto do diretor da prova (acima), Jock Semple, tentando, sem sucesso arrancá-la da competição foi um marco na história da corrida. “Eu só queria correr. Mas ali senti o peso da discriminação contra as mulheres. A partir desse dia, lutar por oportunidades para mulheres se tornou minha meta na vida”, diz ela no documentário.

Deixe uma resposta