Paris-Versalhes: uma charmosa corrida de 16km entre a Torre Eiffel e os jardins de um dos principais castelos franceses

A jornalista Denise Ribeiro correu, em 2012,  a Paris-Versalhes – que acontece neste domingo (25/9) e que está com suas 25 mil vagas esgotadas desde 9 de junho.  Aqui, ela conta aqui como foi sua preparação para esses charmosos 16km.

Imaginar uma viagem a Paris é pensar em passear pela Champs-Elysées, comer baguete e beber vinho. Mas para quem quer um pouco mais de aventura ou desafio, correr a Paris-Versalhes pode ser uma opção cheia de charme. Afinal, largar da Torre Eiffel, percorrer bosques e chegar nos jardins do castelo de Versalhes, 16km depois, é um roteiro para lá de chique.

Os franceses chamam a Paris-Versalhes de “la grand classique”, talvez para mostrar a importância da corrida que já está em sua 34ª edição. Este ano, as inscrições, que custavam € 34 (R$ 108), terminaram três semanas antes da prova, que acontece no próximo dia 30, ao atingir o número máximo de inscritos: 24 mil. Muitos desses corredores são brasileiros, que vêm aumentando sua participação ano após ano. Em 2011, tirando os franceses — que responderam por 95% dos 24.258 participantes, sendo 77% de homens e 23% de mulheres —, o Brasil, com 155, foi um dos países com mais corredores, perdendo para Inglaterra (209) e Bélgica (183). Este ano, o pelotão brasileiro terá 218 corredores, atrás apenas dos belgas (328) e britânicos (258).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mesmo não sendo uma corrida muito longa, a Paris-Versalhes tem uma série de exigências que devem ser cumpridas pelos atletas, como a entrega, via internet, de um atestado médico garantindo que ele está bem de saúde.

E a preparação para a Paris-Versalhes não está só em manter a saúde em dia. Ela vai muito além das voltinhas na Lagoa Rodrigo de Freitas ou de um sprint na orla carioca. Para a corrida, é preciso estar acostumado com subidas e descidas.

Todas as pessoas que conheço que já correram a prova me disseram que era como subir, por exemplo, as Paineiras. Para simular, foi lá que fiz boa parte dos meus treinos, passando pela Vista Chinesa indo até a Mesa do Imperador. Para variar, ainda corri a Meia Maratona Internacional do Rio, em julho, pois queria experimentar novamente a subida da Avenida Niemeyer.

Agora, é só esperar por uma surpresa agradável no dia da prova. A temperatura em Paris está em torno de 28 graus. Como a corrida é daqui a nove dias, espero um clima mais ameno até lá. Mas vou ficar preparada para o sol forte. Afinal, só não pode chover, já que a ideia é fazer um piquenique nos jardins de Versalhes após a corrida. Até porque, ninguém é de ferro, e quero terminar a prova com chave de ouro, com direito a baguete e vinho francês. Tem corrida mais charmosa do que essa?”

* Texto publicado em 21/9/2012 no Globo

Deixe uma resposta