Pela primeira vez a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) apresenta dados sobre a prática de atividade física entre os brasileiros. O trabalho, realizado em 2015 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgado nesta quarta-feira (17/5), mostra que 60% dos brasileiros com mais de 15 anos não praticam nenhum tipo de exercício, o que representa 100,5 milhões de pessoas sedentárias. Entre as mulheres, 33,4% se exercitam, enquanto que 42,7% dos homens praticam uma atividade.

A faixa etária mais ativa, com 44%, é a de adolescentes com idade entre 15 e 17 anos. A que menos se exercita é a de pessoas com mais de 60 anos, com 13,4% de praticantes de alguma atividade física. No levantamento por regiões,  Centro-Oeste (41,1%) e Sul (40,8%) foram as menos sedentárias, seguidas pelo Sudeste (37,5%), Norte (36,6%) e Nordeste (36,3%). Há uma relação positiva entre as práticas de esporte e atividade física e o nível de escolaridade e rendimento mensal da população.

O desejo de relaxar ou se divertir foi apontado como a principal motivação para aqueles que fazem exercícios físicos, com 28,9% das respostas, seguida da melhora na qualidade de vida ou o bem estar (26,8%) e o aprimoramento ou a manutenção do desempenho físico (19,9%).

O esporte mais praticado entre os pesquisados é o futebol, com 39,3%,  na maioria homens, seguido da caminhada (24,6%) e de fitness. Os locais de prática de atividade física mais apontados foram as instalações esportivas pagas e a frequência mais mencionada foi quatro vezes por semana ou mais. O tempo dedicado à atividade física foi de mais de uma hora para 43,4% das pessoas de 15 anos ou mais. O tempo mínimo dedicado aos esportes foi de 20 minutos por dia. Como na prática de atividade física, a duração do exercício foi maior entre os homens: 50,4% o faziam por mais de uma hora. Entre as mulheres, 31,5% praticavam mais de uma hora.

A falta de tempo foi o principal motivo apontada pelos sedentários (38,2%) para não praticarem exercícios, não gostarem de exercícios (35%) e problemas de saúde impeditivos ou idade avançada (19%).

Perguntados se deveria haver mais investimento público em esportes e atividade física, 118,6 milhões de entrevistados afirmaram que o poder público deveria destinar mais verbas para essas atividades.